Palavras ao Vento Literatura

terça-feira, 29 de novembro de 2016

"SONETO DO TEMPO PERDIDO"




Nestes longos anos de penúria por qual passei 
Ficaram tão distantes em minha infância deixei
Infância de miséria castigo e segredo 
A voz vinda do álcool causando espanto e medo

Este soneto envelhecido perdido no tempo
Sopra aos ouvidos as dores vindas no vento
Dias entristecidos de angustias e e dores
A falta de tudo dias de um jardim sem flores

Lagrimas no rosto soluços e temor
Olhos amargurados perdidos na imensidão
Haverá neste angustiado peito fagulhas de amor

O tempo passou no menino as dores marcas deixou
Um soneto feito em lagrimas, no tempo perdido
Lembranças de um passado e das lagrimas que marcou


                           Poeta do Sertão
                               28-11-2016